quarta-feira, 25 de abril de 2007

25/04/2007 - Ilha dos Frades (Corais de Norte)


Saímos do Centro Náutico às 8:00h em direção à ilha dos Frades ... por volta das 8:30h avistamos duas fragatas (Fregatta magnificens), aves de hábitos oceânicos que só se aproximam da costa quando o temporal está "feio" em alto mar, muitas vezes inclusive a sua avistagem em águas costeiras é o prenúncio de temporal ... além da fragata um grupo de trinta-reis (Sterna sp.) também foi observado interagindo com catraias de pesca ... chegamos na costa da ilha por volta das 10:30h e começamos a sondar o fundo atrás de sinais de coral (recife) e só achávamos bancos de fanerogamas marinhas (algas) ... até que umas 11:00h encontramos o recife norte e então caímos na água.

Diferente do dia anterior, hoje eu mergulhei para censurar peixes crípticos e usei o método do quadrado (2 x 2m) e consegui registrar 7 espécies de peixes crípticos, foram eles: amboré-vidro (Coryphopterus sp.), garrião (Labrisomus nuchpinnis), Malacoctenus sp., Serranus flaviventris, Parablennius sp., moréia (Gymnothorax moringa) e mangangá (Scorpaena plumieri).

Além dos peixes resolvi por conta própria censurar o carangueijo-aranha (Stenorhynchus seticornis) que foi observado em apenas 3 dos 15 quadrados censurados (total de 3 indivíduos).

O mergulho durou 126 minutos.

Estiveram comigo neste mergulho: Camilo, Marocci e Igor Cruz.

2 comentários:

Anônimo disse...

Rodrigo, olá...
só uma coisa, quando vc diz "bancos de fanerógamas marinhas (algas)" dá impressão que vc está dizendo que fanerógamas marinhas são algas, e fanerógama é planta vascular, alga é protista, a única coisa que estes organismos tem em comum é a presença de clorofila a, portanto o fato de serem fotossintetizantes. Este bancos de fanerógamas são importantíssimos num contexto mais amplo de ambiente recifal, pois estes bancos funcionam como um filtro impedindo a suspensão do substrato inconsolidado. Sem isso, muito material em suspensão haveria e chegaria até os corpos recifais, causando injuria por sufocamento aos pólipos.

Ingrid Balesteros Silva, Instituto de Botânica de SP

Rodrigo Maia-Nogueira (Pivni) disse...

Olá Ingrid,
Obrigado pela valiosa contribuição, sinta-se a vontade para comentar o que quiser e enriquecer o conteúdo dos meus posts.